Prevenção à obesidade infantil começa na gestação

dd

Diz uma crendice popular que mulher grávida deve comer por dois. Nada mais falso. Segundo o RDI (Recommended Dietary Intakes), tabela com as recomendações universais sobre alimentação, gestantes a partir do terceiro mês de gravidez devem ingerir apenas 300 calorias a mais do que o normal, totalizando 2.800 calorias por dia. “Os bons hábitos alimentares da gestante, e não necessariamente o ganho de peso, é que influenciarão a saúde do bebê ao nascer”, diz Flávia Bulgarelli, nutricionista do Espaço Leve – Núcleo de Prevenção e Tratamento da Obesidade Infanto-Juvenil, de São Paulo.

É bastante comum, nos três primeiros meses de gravidez, haver uma oscilação de peso, com a perda de até 3 quilos ou o ganho de até 2 quilos, sem que isso cause problemas para mãe ou filho. A partir daí, o ganho adequado de peso vai depender do estado nutricional da gestante e servirá de indicador para avaliar o suprimento correto de energia.

De forma simplificada, considera-se que as gestantes de baixo peso ganhem em torno de 15 kg; as de peso adequado, entre 10 a 12 kg; e as com sobrepeso ou obesas, entre 6 e 7 kg. A gestação de gêmeos leva ao aumento de 15 a 20 kg.

Segundo Nataniel Viuniski, pediatra e nutrólogo do Espaço Leve, quando uma grávida aumenta muito de peso, a saúde da dupla mãe-filho entra em perigo. Cada caso deve ser individualizado. Porém, é clássico o conceito de que uma futura mãe não deve engordar muito mais que doze quilos no seu período gestacional. Na gestante, o excesso de peso aumenta os riscos de diabetes, hipertensão, pré-eclâmpsia, além de inúmeras outras complicações obstétricas.

Fonte: Guia do Bebê

26/04/2017