E quando seu filho morde tudo, inclusive o amigo?!

Você abre a agenda da escola e o recado está lá: seu filho mordeu outro amigo novamente. A sensação de impotência invade e, quase sempre, uma pergunta surge na cabeça dos pais: “será que estou fazendo algo errado?”. Calma! Se você se reconheceu nesta situação, saiba que não está sozinho.

Segundo a neuropsicóloga Deborah Moss, mestre em psicologia do desenvolvimento humano, mãe de Ariel, Patrick e Alícia, a mordida é uma das formas que a criança tem para demonstrar insatisfação e frustração, e é comum entre 1 e 2 anos de idade. “Nesta fase, a criança ainda não sabe se comunicar, não consegue demonstrar na totalidade os seus sentimentos e se expressar de forma mais eficiente”, explica.

A disputa por brinquedos, ou até mesmo por atenção, podem ser motivos para que os pequenos mordam. E, apesar de ser algo esperado entre crianças pequenas, é preciso intervir e mostrar que tal comportamento não é adequado. “Os pais devem deixar claro que não gostaram da atitude. Olhar no olho, na hora em que aconteceu e dizer que aquilo não foi correto”, ressalta a profissional.

Oferecer alternativas para a criança demonstrar seus sentimentos, como dizer ao colega que não gostou dele ter pego o brinquedo, e mostrar que o amigo está chorando por conta da atitude dele, também ajudam a criança a entender que morder é errado.

Vale lembrar ainda que os pais devem ser coerentes e não demonstrar, por exemplo, que achou engraçado quando o filho mordeu de leve o irmão, visto que isso pode confundir a criança.

Procure ajuda

Se mesmo tomando todas estas atitudes, a criança continua mordendo de forma constante, se torna mais agressiva, e busca resolver seus conflitos sempre com violência (mordidas, empurrões, chutes) mesmo após dominar a linguagem, talvez, seja o caso de procurar ajuda profissional para entender o que está acontecendo.

24/05/2018