Anestesia na Gravidez – Riscos e Quando é Necessário?

Quando se está grávida, uma infinidade de questões e dúvidas vêm à mente, tanto sobre o bebê quanto sobre o seu próprio corpo. Na verdade, as duas coisas acabam sendo uma só, já que o que acontece com um, inevitavelmente acaba afetando o outro também. E é por isso que tantas dúvidas surgem quando o assunto é anestesia na gravidez.

Será que isso faz mal para o bebê? Será que existem tipos específicos de anestesia para se tomar durante a gravidez? O que é proibido ou não? Neste texto vamos abordar todos esses questionamentos e esclarecer todas as principais dúvidas no que diz respeito à anestesia na gravidez. Mas antes de entender como isso pode ou não afetar o corpo de uma grávida e de seu bebê, é necessário entender como as anestesias funcionam.

Tipos de Anestesia

A anestesia é um tipo de procedimento médico usado para evitar a dor para que outros procedimentos possam ser feitos, principalmente os cirúrgicos. Existem basicamente quatro tipos de anestesia:

  • Anestesia local: Adormece apenas o local onde será realizado o procedimento. É usada em casos mais simples.
  • Anestesia regional: É usada para fazer com que um membro do corpo ou o tronco seja anestesiado, mas sem perda de consciência. É uma das mais comuns para cirurgias.
  • Sedação: Esse tipo de anestesia é normalmente usado para exames como colonoscopia e endoscopia, com a perda da consciência do paciente durante determinado período.
  • Anestesia Geral: É o tipo mais forte de anestesia. Além de evitar dores por todo o corpo, o paciente também perde a consciência. Ela é usada para cirurgias mais complexas e demoradas.

As anestesias normalmente são aplicadas pela veia, mas também existem algumas que são feitas através de inalação do medicamento. O medicamente anestésico passa pela corrente sanguínea e vai até o cérebro, onde os sinais de dor que ele emite são modificados, fazendo com que procedimentos cirúrgicos sejam possíveis.

O tempo que cada anestesia dura vai depender do tipo de procedimento que será feito, da dosagem do medicamente e de como será feita a aplicação.

Riscos da Anestesia na Gravidez

Agora que você já sabe exatamente como as anestesias funcionam, fica mais fácil compreender porque algumas são recomendadas para mulheres grávidas enquanto outras não. E com as recomendadas queremos dizer apenas isso mesmo, é melhor que não faça, ainda que não seja proibido fazer. Mas como assim? Vamos explicar melhor.

No geral, qualquer tipo de anestesia não apresenta grandes problemas, ou seja, os riscos da anestesia na gravidez são baixos, mas isso depende de uma série de fatores, ou seja, eles existem.
Existe o risco de malformação do bebê, por exemplo, mas mesmo nas anestesias gerais, é praticamente o mesmo do que quando uma mulher não toma anestesia. Outro risco muito baixo é o de morte da mãe, que corresponde a menos de 1% dos casos.

Já os maiores riscos são os de aborto espontâneo e os de parto prematuro. A probabilidade de ocorrer um aborto quando uma mulher toma a anestesia é de cerca de 6%, número que pode chegar em até 11% se essa anestesia for dada no primeiro trimestre de gravidez.

Já a outra preocupação, a do parto prematuro, também deve ser grande, já que existe 8% de chances de isso acontecer quando uma gestante é submetida a uma anestesia.

Mas então como lidar com esse tipo de problema já que as anestesias podem fazer mal para o bebê? Como dissemos anteriormente, tudo vai depender de uma série de fatores. É claro que, se você puder evitar e só tomar a anestesia depois da gravidez, isso é o mais recomendado.

Porém, existem situações de urgência onde realizar esse procedimento é extremamente necessário, pois pode acabar representando um risco muito grande para a saúde da mulher e a do bebê. Tudo vai ser avaliado peles médicos e eles normalmente tomarão a decisão menos nociva tanto para a mãe, quanto para o bebê.

Quais Anestesias São Permitidas na Gravidez?

Quando se fala em anestesia na gravidez, estamos falando de um termo abrangente, já que, como já vimos aqui, existem vários tipos. Normalmente, as anestesias gerais são mais fortes e, consequentemente, representam um risco maior para a mulher e para o bebê.

Já uma anestesia regional, ou uma local oferecem uma porcentagem muito menor de riscos, ainda que eles existam e que exijam uma avaliação médica. Cada caso é diferente do outro e cada situação exige um tipo de medida.

É Permitido Tomar Anestesia de Dentista Durante a Gravidez?

Sim, já que se trata de uma cirurgia local. Porém, seu dentista deve estar ciente de que você está grávida. Isso porque existem certas substâncias chamadas de vasoconstritoras que normalmente acompanham os medicamentos anestésicos e que podem elevar a pressão arterial.

Isso pode causar problemas, já que a pressão de mulheres grávidas já é mais alta do que o normal e muitas acabam tendo problemas com isso. Se o dentista aplicar a anestesia sem essa substância, não haverá nenhum problema.

É muito importante que gestantes visitem o dentista, já que sua saúde bucal não deve ser deixada de lado por conta da gravidez. Porém, é recomendado que esse tipo de tratamento seja feito apenas no segundo trimestre de gravidez, já que no primeiro o feto ainda está em formação e qualquer tipo de medicamento que uma mulher usar pode acabar afetando isso.

Já no terceiro trimestre, o problema se dá por conta da grande ansiedade da mãe de querer ver o seu filho chegar e das diversas distrações que o final da gestação pode gerar. Por isso, o segundo trimestre é sempre o mais recomendado.

Anestesia na Hora do Parto

Anestesias podem ser usadas tanto em partos normais quanto em cirurgia cesarianas, ainda que seja mais frequente apenas as que envolvem algum processo cirúrgico. A anestesia em partos normais só deve ser aplicada quando há excesso de dor durante o procedimento e isso ameace o parto de alguma forma. Em outros casos, o parto deve seguir naturalmente.

Já em parto cesárea, é aplicada uma cirurgia regional em que a parte inferior do corpo fica adormecida e, consequentemente, apta para a cirurgia. É um procedimento que não oferece riscos para o bebê, pois esse tipo de cirurgia normalmente é marcado com antecedência e muito bem analisado pelos médicos antes de ser feita.

A período de gravidez é, inevitavelmente, um período de muitas dúvidas, principalmente para as mães de primeira viagem. Em algumas ocasiões essas dúvidas ficam muito mais frequentes, como quando uma mulher precisa fazer algum tratamento que exija uma anestesia, como um tratamento dentário, por exemplo.

Porém, como você pôde perceber, a anestesia na gravidez não é algo totalmente proibido ou que vá lhe trazer algum risco, ainda que é necessário prestar atenção no tipo de medicamento que está sendo usado e como ele será aplicado em você.

O mais correto a se fazer é tirar todas as dúvidas com seu médico antes de fazer qualquer tipo de tratamento, já que assim você pode tomar uma anestesia com muito mais tranquilidade e sabendo que ela não afetará nem a você e nem ao seu bebê.

22/01/2019